“ ME FIZ GENTE NO MEIO DA MADEIRA”, Thiago, QUERIDO, de Mello

Daqui a 100 anos diremos: Foi numa sexta-feira, em 14 de janeiro, que o poeta amazonense e defensor da floresta, Thiago de Mello se foi. Tinha 95 anos. O ano era 2022. Aquele em que contávamos mais de 600 mil mortos por genocídio. Não, o poeta não morreu de causa genocida. Morreu de causas naturais. Mas  sempre dedicou sua vida à natureza e escreveu sobre a natureza: objeto de genocídio daquela época genocida.

Em 2018, o poeta ganhava o Destaque de Personalidade Literária do Prêmio Jabuti, pelo conjunto da obra e por ser referência na literatura regional brasileira. Entre seus poemas mais conhecidos estão “Silêncio e Palavra”, “A Lenda da Rosa” e “Os Estatutos do Homem”, onde a vida a esperança s esparramam em nós

Mas esperem. Poetas nunca morrem. Eternalizam-se no sopro do vento que a poesia traz. Porque poetas e poesias fazem-nos resistir e vencer dragões da maldade.

O ESTATUTO DO HOMEM

Artigo I 
Fica decretado que agora vale a verdade. 
agora vale a vida, 
e de mãos dadas, 
marcharemos todos pela vida verdadeira. 
 
Artigo II 
Fica decretado que todos os dias da semana, 
inclusive as terças-feiras mais cinzentas, 
têm direito a converter-se em manhãs de domingo. 

Artigo III  
Fica decretado que, a partir deste instante, 
haverá girassóis em todas as janelas, 
que os girassóis terão direito 
a abrir-se dentro da sombra; 
e que as janelas devem permanecer, o dia inteiro, 
abertas para o verde onde cresce a esperança. 

Artigo IV   
Fica decretado que o homem 
não precisará nunca mais 
duvidar do homem. 
Que o homem confiará no homem 
como a palmeira confia no vento, 
como o vento confia no ar, 
como o ar confia no campo azul do céu. 

        Parágrafo único:  
        O homem, confiará no homem 
        como um menino confia em outro menino. 

Artigo V  
Fica decretado que os homens 
estão livres do jugo da mentira. 
Nunca mais será preciso usar 
a couraça do silêncio 
nem a armadura de palavras. 
O homem se sentará à mesa 
com seu olhar limpo 
porque a verdade passará a ser servida 
antes da sobremesa. 

Artigo VI  
Fica estabelecida, durante dez séculos, 
a prática sonhada pelo profeta Isaías, 
e o lobo e o cordeiro pastarão juntos 
e a comida de ambos terá o mesmo gosto de aurora. 

Artigo VII  
Por decreto irrevogável fica estabelecido  
o reinado permanente da justiça e da claridade,  
e a alegria será uma bandeira generosa  
para sempre desfraldada na alma do povo. 

Artigo VIII   
Fica decretado que a maior dor 
sempre foi e será sempre 
não poder dar-se amor a quem se ama 
e saber que é a água 
que dá à planta o milagre da flor. 

Artigo IX   
Fica permitido que o pão de cada dia 
tenha no homem o sinal de seu suor.   
Mas que sobretudo tenha  
sempre o quente sabor da ternura. 

Artigo X  
Fica permitido a qualquer  pessoa, 
qualquer hora da vida, 
uso do traje branco. 

Artigo XI   
Fica decretado, por definição, 
que o homem é um animal que ama  
e que por isso é belo, 
muito mais belo que a estrela da manhã. 

Artigo XII   
Decreta-se que nada será obrigado  
nem proibido, 
tudo será permitido,  
inclusive brincar com os rinocerontes  
e caminhar pelas tardes  
com uma imensa begônia na lapela. 

        Parágrafo único:  
        Só uma coisa fica proibida: 
        amar sem amor. 

Artigo XIII   
Fica decretado que o dinheiro 
não poderá nunca mais comprar 
o sol das manhãs vindouras. 
Expulso do grande baú do medo, 
o dinheiro se transformará em uma espada fraternal 
para defender o direito de cantar 
e a festa do dia que chegou. 

Artigo Final.   
Fica proibido o uso da palavra liberdade,  
a qual será suprimida dos dicionários  
e do pântano enganoso das bocas. 
A partir deste instante 
a liberdade será algo vivo e transparente 
como um fogo ou um rio, 
e a sua morada será sempre  
o coração do homem.

(https://www.escritas.org/pt/t/12844/os-estatutos-do-homem)

FILHO DA FLORESTA, ÁGUA E MADEIRA

“Filho da floresta,
água e madeira
vão na luz dos meus olhos,
e explicam este jeito meu de amar as estrelas
e de carregar nos ombros a esperança.

Um lanho injusto, lama na madeira,
a água forte de infância chega e lava.

Me fiz gente no meio de madeira,
as achas encharcadas, lenha verde,
minha mãe reclamava da fumaça.

Na verdade abri os olhos vendo madeira,
o belo madeirame de itaúba
da casa do meu avô no Bom Socorro,
onde meu pai nasceu
e onde eu também nasci.

Fui o último a ver a casa erguida ainda,
íntegros os esteios se inclinavam,
morada de morcegos e cupins.

Até que desabada pelas águas de muitas cheias,
a casa se afogou
num silêncio de limo, folhas, telhas. (…)”

Leia Filho da Floresta na íntegra em: http://www.jornaldepoesia.jor.br/tmello.html

https://www.facebook.com/ThiagoDeMelloPoetaDaFloresta

Foto: Internet

Livro didático de acesso aberto para ensino de português nos Estados Unidos: Plural

Recentemente, foi publicado um livro didático gratuito sob a ótica pluricêntrica para o ensino de português nos Estados Unidos intitulado Plural: Português pluricêntrico.

Originalmente projetado para o ensino de português em um contexto universitário nos Estados Unidos, o livro didático de acesso aberto e não comercial, Plural: Português Pluricêntrico, é construído sobre os seguintes pilares: a natureza pluricêntrica da língua portuguesa, a pedagogia da justiça social e o ensino baseado em projetos . Com a urgência de abordar as complexidades de uma sociedade globalizada focada nas comunidades de língua portuguesa (e com uma ênfase adicional nas diásporas), apresentamos este material como um meio de apoiar professores e alunos em sua jornada de desenvolvimento da língua portuguesa, utilizando práticas transformadoras e inclusivas.

O livro é uma iniciativa sem fundos financeiros de professores da Universidade da Califórnia, Davis, da Universidade de São Francisco  e da Universidade de Bolonha. Plural já está sendo usado em universidades no Texas, em Washington, no Arkansas, na Califórnia, dentre outras.

Para acessá-lo, clique aqui: https://plural.pressbooks.com ou aqui https://escholarship.org/uc/item/9zs4s2p8

É HOJE (15/01) SÓ. AMANHÃ NÃO PODE MAIS.

Inscrições  para Universidade de Frankfurt recruta pesquisador/a na área da linguística

O Departamento de Línguas e Literaturas Românicas da Universidade de Frankfurt, Alemanha, está com candidaturas abertas para uma vaga de pesquisador no nível de doutoramento, como início previsto para abril de 2022.

O pesquisador selecionado integrará o projeto de doutoramento “Evolve”, financiado pela DFG. O projeto examina a hipótese de que fenómenos de mudança diacrónica existentes podem explicar os padrões linguísticos de falantes nativos bilingues do português. O candidato realiza experimentos de rastreamento ocular que comparam os padrões de processamento de falantes de português de origem na Alemanha com os de falantes de português no Brasil e em Portugal.

Requisitos:

  • Muito bom domínio da língua portuguesa;
  • Interesse em investigação psicolinguística e investigação multilingue;
  • Possuir mestrado (ou equivalente) em linguística.

É dada preferência a candidatos com conhecimento de inglês e alemão, bem como experiência com pesquisa empírica.

As candidaturas devem ser enviadas até 15/01/2022 para a Profa. Esther Rinke (Esther.Rinke@uni-frankfurt.de).

Mais informações: https://www.uni-frankfurt.de/48794886/FB10___Neuere_Philologien

Recrutamento de 2 formadores de Língua Portuguesa em Timor-Leste

Incrições até 17 de janeiro

A Multipessoal – Recrutamento & Seleção Especializado, em estreita colaboração com o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, I.P., encontra-se a desenvolver um processo de seleção para 2 Formadores de Língua Portuguesa na República Democrática de Timor-Leste, no âmbito do Projeto Consultório da Língua para Jornalistas – 2.ª Fase.

A presente abertura do procedimento de manifestações de interesse para o exercício de funções de docente em Timor-Leste enquadra-se no Consultório da Língua para Jornalistas, um projeto que tem como objetivo global “capacitar os profissionais de comunicação social timorenses para a transmissão de informação fidedigna ao público em língua portuguesa, contribuindo assim para o aumento da literacia mediática, económico-financeira e jurídica e para o fomento do conhecimento geral da população”. São objetivos específicos: i) fomentar o uso da língua portuguesa por parte de profissionais de comunicação social; ii) promover a correção linguística de conteúdos informativos em língua portuguesa; iii) promover a transmissão de informação fidedigna pelos profissionais de comunicação social.

A data limite de candidaturas é dia 17 de Janeiro de 2022.

Consulte os Termos de Referência aqui.

Mais informações no site da Multipessoal.

QUASE UM PULO DO GATO  PARA PLANEJAR MAIS E MAIS LEITURAS EM 2022

Villela: “Tenha um plano de leitura por escrito”.

 2022 ainda no comecinho e ainda podemos planejar nossas leituras. Por isto Literatura é bom pra vista convidou o consultor de livros Eduardo Villela* (foto) para nos dar dicas a respeito. Uma espécie de pulo do gato. Ele considera normal não conseguirmos manter um ritmo periódico e ler todos os livros que gostaríamos. Isso acontece por não termos um plano de leitura. Assim, para atingir esses objetivos durante o ano, é preciso fazer um bom planejamento. Diversos estudos já pautaram os benefícios da leitura, além da aquisição dos conhecimentos apresentados nos livros. A título de exemplo: Um levantamento feito pela Universidade de Northwestern, em 2013, mostrou que ler com frequência resultava em menor declínio cognitivo do que quem não tinha esse hábito.

 “Esses levantamentos mostram que a importância de manter o hábito de leitura em dia pode trazer mais benefícios do que imaginamos. Nesse sentido, reforço ainda que um bom escritor é também um bom leitor, pois a leitura de outras obras faz o autor se apoderar de novas formas de aumentar seu vocabulário, melhorar sua capacidade de raciocínio e conhecimento na área”, analisa Eduardo Villela.

Vamos, então, às dicas:

  • Defina quais livros deseja ler durante o ano e divida pela quantidade de meses. Por exemplo, caso você tenha escolhido 20 livros, terá que ler mais de um livro por mês. Separe mais tempo para ler os livros maiores ou mais complexos.
     
  • Tenha em mente épocas do ano que poderá se dedicar mais ou menos à leitura. Por exemplo, em época de provas ou mais intensas de trabalho você sabe que não terá tanto tempo para ler os livros que planejou. Por outro lado, nas férias poderá pôr a leitura em dia.
     
  • Tenha o seu plano de leitura por escrito. Fica muito mais fácil de manter o planejamento e saber, exatamente, qual livro vai ler e quando.
     
  • Mantenha o ritmo da leitura. O ritmo vai depender muito da quantidade de livros escolhidos. Você pode dividir a sua leitura pela quantidade de páginas ou capítulos de cada livro. Outra forma é definir quanto tempo vai ler por dia ou por semana.
     
  • Escolha um local tranquilo para fazer a sua leitura. É muito fácil se distrair em ambientes barulhentos. Outra dica é manter o celular afastado.

“Um dos sentimentos que temos ao ler um bom livro é a sensação de estar imersos na história, criando uma conexão mais forte com as personagens e os acontecimentos nos quais elas se envolvem”, completa Villela.

*Eduardo Villela é Book Advisor e assessora pessoas, famílias e empresas na escrita e publicação de seus livros. Trabalha com escrita e publicação de livros desde 2004. Já lançou mais de 600 livros de variados temas, entre eles comportamento e psicologia, gestão, negócios, universitários, técnicos, ciências humanas, interesse geral, biografias/autobiografias, livros de família e ficção infanto-juvenil e adulta.

BIBLIOTECA DA FAVELIVRO É BOM PRA TUDO!!!

Então é hoje (12/01) que o Favelivro inaugura a Biblioteca Ana Botafogo, em Engenho da Rainha, bairro da zona norte do Rio de Janeiro. A biblioteca é aberta a todos. Então todo mundo que quiser pode cair dentro.

O Favelivro foi criado em Janeiro de 2012 e nasceu do encontro de dois apaixonados por livros: os amigos Demezio Batista, livreiro, e a professora de língua portuguesa Verônica Marcilio.  Seguindo a agenda para multiplicar esse movimento, a bailarina e atriz brasileira Ana Botafogo foi escolhida como patrona na Biblioteca do Engenho da Rainha. 

Endereço: Rua Mário Ferreira 227 no Engenho da Rainha, dentro do Instituto Verde Criando Vidas. 

https://www.instagram.com/favelivro/

https://www.facebook.com/Favelivro-Um-movimento-Liter%C3%A1rio-nas-favelas-e-periferias-102417004894113

INCRIÇÕES ABERTAS E GRATUITAS PARA CURSO DE POESIA

Poesia Expandida, curso da Casa das Rosas que explora novas formas de criação poética, está com inscrições abertas
 

Oferecido pelo Centro de Referência Haroldo de Campos do museu, o curso gratuito pretende estimular o uso de novos meios e suportes de criação na poesia. Inscrições até 4 de março.


 A Casa das Rosas — Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura, integrante da Rede de Museus-Casas Literários da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, e gerenciada pela Poiesis, recebe de 18 janeiro a 4 março inscrições para a 4ª edição do Poesia Expandida, curso gratuito voltado para interessados na criação literária.
 Por meio de aulas teóricas e práticas, o curso Poesia Expandida aborda o universo da poesia nas diversas possibilidades expressivas da palavra, do som e da imagem e explora a criação poética em diferentes meios e suportes. “Este é um dos raros cursos no país — se não for o único — que convida e orienta os participantes para uma experiência de criação poética para além do verso e da página”, aponta Júlio Mendonça, coordenador do Centro de Referência Haroldo de Campos da Casa das Rosas.
 Neste ano, estão sendo ofertadas 40 vagas (20 vagas presenciais e 20 online). É esperado que os selecionados que residirem na cidade de São Paulo participem presencialmente das aulas, que acontecerão no anexo da Casa Guilherme de Almeida devido ao restauro do Museu Casa das Rosas. As aulas online serão realizadas pela plataforma Google Meet.
 Os interessados, que devem ser maiores de 18 anos, precisam preencher a ficha de inscrição com três trabalhos poéticos autorias — em verso ou prosa –, um texto de demonstração de interesse e um breve currículo de dez linhas. Os trabalhos poéticos podem ser:

  • Poemas (em verso ou prosa) em pdf, sendo que a soma dos trabalhos não deve ultrapassar 10 páginas;
  • Poemas visuais em jpeg (mínimo de 1.200 pixels de lado);
  • Poemas e/ou performances poéticas vocais e corporais em vídeo nos formatos avi ou mp4 — se preferir enviar por Youtube ou Vimeo, deverá informar o link. A duração máxima de 3 minutos cada trabalho;
  • Poemas sonoros em formato mp3 ou postados na plataforma Soundcloud. A duração máxima de 3 minutos cada trabalho.

Os arquivos devem ser enviados compactados em formato rar ou zip e identificados com o nome completo do inscrito. Aqueles que optarem por enviar os arquivos na forma de links, devem colocar os links no bloco de notas e enviar compactados em um desses formatos.
 

curso começa no dia 17 de março e segue até 9 de julho de 2022. Serão dois encontros semanais (às quintas, das 19h00 às 21h00, e aos sábados, das 10h30 às 13h30). Entre os professores confirmados estão Juliana Di Fiori Pondian, pesquisadora nas áreas de linguística, semiótica, tradução, poesia e literatura e tradutora de línguas clássicas e modernas;Daniel Minchoni, poeta e artista da poesia falada e da performance. Artista de vanguarda, criou e toca eventos de poesia em São Paulo como: “O menor Slam do Mundo” e “O sarau do burro“; e Anderson Gomes, artista, poeta visual e arte-educador.
 

A seleção dos alunos é realizada por uma comissão de profissionais de literatura sob a coordenação do Centro de Referência Haroldo de Campos. A comissão de seleção leva em consideração, em primeiro lugar, a compatibilidade do perfil do candidato em relação à proposta do laboratório que explora a criação verbal em diferentes meios e suportes. No breve currículo e na declaração de interesse, será observado o nível de envolvimento do candidato com a criação poética de invenção. Nos trabalhos poéticos enviados, serão consideradas a técnica e a inventividade.
 

A lista com os selecionados será divulgada no dia 14 de março no site da Casa das Rosas. Para mais informações sobre o preenchimento da ficha de inscrição e sobre o curso “Poesia Expandida”, acesse o site da Casa das Rosas.


SERVIÇO

Curso
Poesia Expandida

Formação teórica e prática

Duração: De 17 de março a 9 de julho de 2022, em dois encontros semanais: quintas-feiras, das 19h às 21h, e sábados, das 10h30 às 13h30.

40 vagas | Online e Presencial | Grátis

Inscrições gratuitas — 18 de janeiro a 04 de março de 2022 neste link.

Divulgação do resultado / lista das pessoas selecionadas: dia 14 de março de 2022 no site da Casa das Rosas.

*Aulas presenciais no Anexo da Casa Guilherme de Almeida.

Endereço: R. Cardoso de Almeida, 1943 – Sumaré, São Paulo – SP, 01251-001

—-

Casa das Rosas — Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura

Avenida Paulista, 37 — Paraíso — São Paulo (próximo à estação Brigadeiro do metrô).

O museu está fechado para restauro, e tem realizado atividades no espaço livre do jardim e no seu orquidário. Fique por dentro dessa agenda acessando o site (aqui).

O jardim fica aberto todos os dias da semana, das 7h às 22h.

O restante das atividades continua virtual e com programação acessível pelos sites do museu e do +Cultura

UM CONVITE PARA VIVENCIAR O PRAZER EM SER HUMANO

Em livro de estreia, a engenheira Maria Paz promove autoconhecimento e ensina a afastar as influências do ambiente e a própria negatividade cerebral

Maria Paz: “Segundo Agostinho, a razão para filosofar é a felicidade”

A engenheira paraibana Maria Paz é uma promotora da vida e do valor de cada pessoa.  Em seu livro Prazer em ser humano, a autora convida o leitor a entrar em um processo de autoconhecimento em busca de reencontrar seu verdadeiro eu. Mais que a transformação pessoal, Maria acredita que as mudanças individuais afetam o coletivo e são o caminho para construção da paz. Com pós-doutorado em Engenharia Civil (pela UFRGS) e especialista em teologia, a escritora compartilha na entrevista a seguir, a intensa pesquisa multidisciplinar e a sua vivência que resultaram na concepção da obra e seu propósito.

Por que você decidiu retratar esse tema tão amplo no seu livro de estreia?

Quem somos nós? Por que estamos aqui? O que eu posso fazer para tornar esta vida mais fácil para mim e para os demais? Estas três questões fundamentais acompanharam-me durante toda a vida. São questões contundentes presentes em nossa racionalidade humana e, para elas, eu não encontrei respostas nem sossego. Assim, compreendi ser necessário pesquisar sobre o tema com dedicação, sem camuflagens, e foi o que eu fiz. E o que descobri já não me pertence; é de toda a humanidade. Daí a necessidade de escrever o livro e compartilhar o conhecimento.

Como foi o processo de pesquisa para compor a obra e quanto tempo levou? 

Quando a minha vida deu uma forte pane, busquei a verdade, o conhecimento para além do que o maravilhoso e muito preciso método científico pode nos proporcionar. Compreendendo haver uma lacuna, direcionei a minha sede por conhecimento verdadeiro, empregando a prática em pesquisa adquirida na academia, para conhecer o legado de pensadores geniais, que refletiram o humano como promotor da paz e buscador da felicidade.

Peguei a pista do potentia do físico quântico Heisenberg e fui buscar Platão com a sua Teoria do Conhecimento da Linha Dividida. Li e reli vários livros de Platão e depois descobri a profundidade do pensamento agostiniano que, em sequência ao meu estudo de Platão, aprofundou a minha própria vivência na interioridade. E fui somando pensadores clássicos e contemporâneos a variados artigos científicos e colocando tudo isso em uma linguagem acessível, de tal forma que este livro se fundamenta em seis anos de pesquisa bibliográfica transdisciplinar e posso afirmar que sou autora devido à necessidade de comunicar e testemunhar toda essa riqueza humana.

Qual foi a sua maior inspiração para escrever “Prazer em ser humano”?

Segundo Agostinho, a razão para filosofar é a felicidade. De fato, é a busca pela felicidade de podermos significar com liberdade e lucidez a nossa vida que me levou a escrever o livro. Quanto mais eu pesquisava, mais percebia o valor da contribuição genuína de pensadores apaixonados pelo conhecimento verdadeiro, que com sinceridade e extremado amor se dedicaram a descobrir e depois a nos legar pistas seguras e preciosas sobre a vida e a dignidade humana.

Qual é a principal mensagem que a obra traz aos leitores?

Não desista. Viver vale a pena! Comece hoje a se autoconhecer (para além do condicionamento ambiental e da negatividade cerebral) e a experienciar o seu valor único. Silencie e flua em sua interioridade, para que você não seja apenas uma peça na engrenagem, mas de fato, tenha alma, escolha com lucidez e signifique o que sente e o que te acontece com a clareza da racionalidade sadia que usufrui do livre-arbítrio.

Sua formação como engenheira influenciou na construção da obra. Mas como foi feita essa relação com as outras áreas dos saberes, como filosofia e sociologia? 

A especificidade profissional é uma riqueza da ciência, cada um se aprofundando em sua própria vocação. Como engenheira eu amo o método científico que possibilita toda a maravilhosa tecnologia que nos cerca. Contudo, a fragmentação dos saberes não pode abarcar a consciência humana, fazer isso nos exila de nossa completude na interioridade, e apartados da integralidade desaprendemos a significar o que sentimos e o que nos acontece. Portanto, entender e conectar as complementaridades dos saberes que se apresentam muito separados na contemporaneidade foi o grande desafio para escrever este livro. Cada pergunta que eu fazia na busca pelo ser humano, abria um imenso leque multidisciplinar e eu fui, com coragem e dedicação sem preconceitos, buscando compreender a ação conjunta dos saberes humanos que passa despercebida e, às vezes, parece proibida, contraditória ou impossível.

Quais são os desafios de ser escritora no Brasil?

Inúmeros. E o principal é fazer com que, em meio ao imenso turbilhão de informações, as pessoas saibam que a sua obra existe e que ela traz uma contribuição legítima para a sociedade e para cada pessoa.

Cada um de nós tem a missão de contribuir para melhorar o mundo e pensando nisso escrevi este livro. Sei que o brasileiro tem sede de conhecimento, porém a maioria ainda é mantida envolvida em tendências e necessidades repetitivas que são amplamente estimuladas. Assim, não há tempo nem incentivo para as pessoas descobrirem a sede inata por leitura e nem acessar o conhecimento que precisamos para escolher com lucidez e realizar com criatividade. 

Você também é especialista em teologia e acrescentou elementos espirituais na obra. Como você fez essa conexão com os demais temas abordados?

A obra trata do ser humano integral, pois quando estamos fragmentados somos como máquinas movidas pelo condicionamento ambiental adquirido e pelos circuitos cerebrais de emoções negativas e viciantes herdados. Se não cuidarmos em despertar, passaremos a vida em modo automático sem usufruirmos do nosso livre-arbítrio nem das potencialidades criativas que tornam possível a felicidade humana.

Não se trata de um livro religioso, mas cuida da qualificação do humano e, por isso, evidencia que cada um tem o potencial para se tornar uma pessoa humana desperta em sua interioridade e para além do intelecto, onde Deus nos ilumina. No livro, ensino este processo segundo a minha própria vivência pessoal e o testemunho de pensadores clássicos e contemporâneos. Imagine todos sendo curados na interioridade e despertando para a felicidade possível, que é viver o propósito de suas vidas. E o propósito de cada um, embora seja diferente e inédito, sempre irá se realizar na coletividade, construindo um mundo melhor para todos, incluindo a preservação e restauração da natureza que como o ser humano tem sofrido tanto desrespeito e aviltamento.

De que forma o desenvolvimento humano, a sustentabilidade e o livre-arbítrio, podem levar à racionalidade saudável das pessoas?

Essa é uma questão importantíssima. Para além do condicionamento ambiental e dos pensamentos repetitivos gerados por nossos circuitos cerebrais, nós temos livre-arbítrio e podemos com lucidez escolher criativamente novos contextos e significados. Porém, se ficarmos apenas no automático, seguimos determinados como máquinas sem alma e discernimento, deixando de saborear o conhecimento que harmoniza e desperta o livre-arbítrio da pessoa humana e isso não podemos admitir. Portanto, precisamos redescobrir o prazer plenificante e libertador que nos faz humanos, a nossa racionalidade sadia. O ser humano está muito maltratado, apartado de sua própria interioridade jaz torturado e assombrado pelo vazio e a solidão. Cansados, explorados, feridos e movidos por metas externas, passamos pela vida sem viver e isso não é bom para ninguém.

Como o autoconhecimento pode levar as pessoas a resgatarem a felicidade? 

Primeiro vamos compreender que o autoconhecimento não significa entender por que razão: eu penso isso, sinto aquilo ou ajo daquele modo. Essa bagagem negativa todos nós temos; precisamos ir além dessa nuvem coletiva.

A partir do momento que você percebe que aqueles pensamentos repetitivos, viciantes, intensos e reativos que passam pela sua cabeça e influenciam o seu comportamento e percepção não representam você, e que são apenas sugestões de seu maravilhoso biocomputador (o cérebro) e do ambiente, sua vida começa a mudar. Porque você para de ser um joguete que reage conforme a dobradinha condicionamento cerebral e ambiental, e começa a sua jornada para se tornar uma pessoa desperta, capaz de escolher criativamente como se sente, o que pensa e significa e como agir diante das circunstâncias no cotidiano de sua vida.

O livro “Prazer em ser humano” é um convite para esse processo de cura, conhecimento e libertação que, gradualmente, possibilita o reencontro com o “seu verdadeiro eu” e com o prazer em ser humano. Aceite o processo e venha descobrir que você tem valor! Não um valor comparativo, mas valor original, único e específico do seu ser. Acredite, você traz um propósito que lhe proporciona felicidade e aponta para o ganho coletivo, porque o ser humano é um ser social e a racionalidade sadia busca construir a sociedade da vida em abundância para todos. Seja luz!

VESTIBULAR 2022 DA ESAMC SANTOS OFERECE BOLSA INTEGRAL DE MBA 

PROCESSO SELETIVO É ONLINE E ACONTECE EM 15 DE JANEIRO 

As inscrições para o vestibular da Esamc Santos 2022 estão abertas e podem ser feitas pelo site da faculdade –  https://lp.esamcsantos.com/vestibular-2022-santos -, pelo WhatsApp (13) 99655-5828 (das 9h às 21h, de segunda à sexta) ou do e-mail, vestibular.santos@esamc.br. A prova será online e está marcada para 15 de janeiro. Quem participar do processo seletivo ganha um curso de pós-graduação em MBA nas áreas de negócios. 

Além do oferecimento de bolsa integral em MBA (Master of Business Administration), a Esamc Santos promove desconto de até 80% na primeira mensalidade, de acordo com a pontuação alcançada no vestibular ou nota geral do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). 

A prova serácomposta de 40 questões de conhecimentos gerais e redação, tendo a pontuação máxima do vestibular classificada em 100 pontos. Não é exigido requisito específico do aluno para a realização do exame, mas sua aprovação depende de não zerar na redação e conseguir o total de mais de 20 pontos. 

A Esamc oferece 31 cursos de graduação. Sendo 18 em bacharelado: Administração de Empresas, Arquitetura e Urbanismo, Ciências Contábeis, Design de Moda, Design Gráfico, Direito, Economia, Engenharia Civil, Engenharia de Produção, Engenharia Mecânica, Engenharia Ambiental, Engenharia de Computação, Engenharia Elétrica, Engenharia Química, Jornalismo, Psicologia, Publicidade e Propaganda, Relações Públicas e Relações Internacionais. E 13 cursos tecnólogos: Comércio Exterior, Comunicação Institucional, Eventos, Fotografia, Gestão de Recursos Humanos, Gestão Comercial (Vendas), Gestão Financeira, Logística, Marketing, Produção Fonográfica, Produção Audiovisual, Produção Publicitária, Qualidade. 

As inscrições podem ser feitas pelo endereço https://lp.esamcsantos.com/vestibular-2022-santos, e também pelo WhatsApp (13) 99655-5828 (das 9h às 21h, de segunda à sexta) ou do e-mail, vestibular.santos@esamc.br.

Mais descontos

– Alunos de escolas públicas ou que concluíram a Escola Técnica Estadual (ETEC) ou Centro de Aprendizagem e Mobilização Profissional e Social (CAMPs) têm 50% de desconto pelo programa ESAMC Valoriza. 

– Descontos especiais para segunda graduação de até 45%, com o mesmo percentual de desconto para transferências, e a possibilidade de formação de grupo – indicando um amigo ou mais, há desconto maior.

– A ESAMC também tem parcerias com empresas conveniadas em todos os cursos. Para ter acesso ao desconto, o candidato precisa apresentar, no ato da matrícula, um documento que comprove o vínculo com a instituição parceira.

– Outras possibilidades são a adesão aos programas do Governo Federal: Programa Universidade para Todos (Prouni), que concede bolsas parciais (50%) ou integrais (100%); e ao Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), que auxilia a financiar a graduação, podendo ser valor integral ou parcial. O pagamento começa somente após a conclusão do curso.

MUSEU DE ARTE MODERNA SP OFERECE PROGRAMAÇÃO CULTURAL E EDUCATIVA PRESENCIAL E EM SEUS CANAIS DIGITAIS

Destinada ao público de todas as idades, a programação inclui atividades para aproveitar as férias escolares e envolvem toda a família

Entre os meses de janeiro e fevereiro, o Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM) apresenta programação online e presencial voltada à famílias, professores, educadores e estudantes. As atividades são desenvolvidas dentro do ambiente cultural artístico do museu, com programação do universo infantil abordando temas como a cultura popular, gênero, e diversidade étnica.
Confira a programação completa. Mas, antes, conheça a história do MAM: Sobre o MAM São Paulo

Fundado em 1948, o Museu de Arte Moderna de São Paulo é uma sociedade civil de interesse público, sem fins lucrativos. Sua coleção conta com mais de 5 mil obras produzidas pelos mais representativos nomes da arte moderna e contemporânea, principalmente brasileira. Tanto o acervo quanto as exposições privilegiam o experimentalismo, abrindo-se para a pluralidade da produção artística mundial e a diversidade de interesses das sociedades contemporâneas.


O Museu mantém uma ampla grade de atividades que inclui cursos, seminários, palestras, performances, espetáculos musicais, sessões de vídeo e práticas artísticas. O conteúdo das exposições e das atividades é acessível a todos os públicos por meio de visitas mediadas em libras, audiodescrição das obras e videoguias em Libras. O acervo de livros, periódicos, documentos e material audiovisual é formado por 65 mil títulos. O intercâmbio com bibliotecas de museus de vários países mantém o acervo vivo.
Localizado no Parque Ibirapuera, a mais importante área verde de São Paulo, o edifício do MAM foi adaptado por Lina Bo Bardi e conta, além das salas de exposição, com ateliê, biblioteca, auditório, restaurante e uma loja onde os visitantes encontram produtos de design, livros de arte e uma linha de objetos com a marca MAM. Os espaços do Museu se integram visualmente ao Jardim de Esculturas, projetado por Roberto Burle Marx para abrigar obras da coleção. Todas as dependências são acessíveis a visitantes com necessidades especiais.   11/01 (ter) às 15h Família mam (Férias no mam) Jogos do brincar: oficina de brincadeiras populares com mam educativo Atividade presencial para crianças a partir de 3 anos acompanhadas de suas(eus) responsáveis. Inscrições com 30 minutos de antecedência com o mam educativo na recepção do mam. Para intérprete de Libras, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.br com até 48hs de antecedência.

Pular corda, bambu, amarelinha… essas são algumas das experiências do brincar nas mais diversas culturas populares, cada uma a seu modo e com características próprias, da região e cultura onde vivenciada. Esta é uma oficina presencial para descobrir com o mam educativo algumas possibilidades de brincar junto, por meio de brincadeiras de corpo, canto e muita imaginação. Vamos desenhar, colorir, cantar e resgatar saberes, criando novas possibilidades de ser e estar no mundo.   12/01 (qua) às 18h Programa de Visitação // Arte e Ecologia Ateliê Ninho: criação de passarinhos com elementos da natureza No Instagram e YouTube do mam   Quem nunca ouviu o canto de um passarinho ao visitar o Jardim de Esculturas do mam? Lá, eles brincam, cantam e encantam quem passa a caminho do museu. Este vídeo da oficina realizada pelo mam educativoAteliê Ninho: criação de passarinhos com elementos da natureza, é um convite à observação atenta dos passarinhos que voam pelos jardins e paisagens ao nosso entorno. Após esta observação, colete folhas, flores, galhos e outros elementos da natureza que encontrar já reunidos no chão para realizar a construção de pequenos pássaros. Após estruturar corpo, asas e bicos, experimente construir gambiarras (com os materiais que tiver em casa) que permitam o seu passarinho alçar voo. Vamos lá!


13/01 (qui) às 15h Família mam // Arte e Ecologia Brinquedos da terra: oficina de construção de brinquedos com mam educativo Atividade presencial para crianças a partir de 2 anos acompanhadas de suas(eus) responsáveis. Inscrições com 30 minutos de antecedência com o mam educativo na recepção do mam. Para intérprete de Libras, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.br com até 48hs de antecedência.

A terra é um elemento que sustenta a vida. É a partir dela que as árvores surgem, as águas caem e nós caminhamos. Assim, propomos olhar para ela como uma ferramenta do brincar. Esta oficina presencial é um convite aos participantes para investigarem o que a terra nos entrega e assim criarem brinquedos que partam dela. Seria um jogo com pedras? Uma boneca de galho? O fazer é livre e o brincar também, em uma proposta inspirada em muitos artistas e educadores referências para a gente: Gandhy Piorski, Adelsin, Anna Marie Holm…

15/01 (sáb) às 15h Família mam (Férias no mam) // Arte e Ecologia Contação de histórias: Os curupiras e os gentes de pedra, com Anderson Kary Báya Atividade presencial, livre. Aberta ao público, sem inscrição prévia. Para intérprete de Libras, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.br com até 48hs de antecedência.

Na era dos gentes de pedra, um casal jovem se perdeu na floresta e parou na casa do curupira. Surpreenderam-se ao conhecer o outro lado do curupira, onde todos os utensílios da casa tinham vida, e no seu espelho mágico ele monitorava todos os seus vizinhos, gentes de pedra. Este é um convite a uma contação de história que nos aproxima das narrativas originárias dos nossos povos.

Anderson Kary Báya é artista indígena de Iauaretê (AM), pesquisador da cosmovisão, das danças, dos cantos e dos grafismos de seus povos Tariano e Tukano. Iniciou suas atividades artísticas oficialmente em 2003, atuando como músico no grupo de artes Dyroá Báya. Depois disso teve suas primeiras experiências no teatro e dança com a Cia. Uatê. Em 2008 iniciou suas participações no cinema e na TV, em curtas, longas metragens e seriados. Atualmente organiza vivências diversas relacionadas às culturas indígenas em comunidades pedagógicas formais e não-formais, e é artista-educador do Programa de Iniciação Artística (PIÁ – 2021, Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo).   18/01 (ter) às 15h Família mam (Férias no mam) Pintura de retalhos: oficina com mam educativo Atividade presencial para crianças a partir de 4 anos acompanhadas de suas(eus) responsáveis. Inscrições com 30 minutos de antecedência com o mam educativo na recepção do mam. Para intérprete de Libras, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.br com até 48hs de antecedência.

Já parou para observar a quantidade de possibilidades que um tecido guarda em si? Desde uma roupa que nos veste, ao lençol que nos cobre, as cortinas nas janelas, as toalhas de piqueniques, etc. Tecidos também podem guardar memórias e nos contar histórias. Nesta oficina presencial, o mam educativo propõe o olhar curioso para os retalhos de tecidos em seu ateliê. No lugar da tinta, procuraremos por estampas, cores e texturas em tecidos para a composição dessa pintura de retalhos. Venha participar dessa atividade!     19/01 (qua) às 16h Contatos com a arte (Volta às aulas) Arte Popular, encontro virtual com Cristina Fernandes Atividade virtual no Zoom para professoras(es), educadoras(es), pesquisadoras(es), estudantes e artistas. Com inscrição prévia. O link do evento é enviado no dia por e-mail com 1h de antecedência do evento. Para intérprete de Libras, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.br com até 48hs de antecedência. Para certificado, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.br após o evento, com comprovante de inscrição em anexo.

Se a história da arte tratou de classificar e hierarquizar as produções artísticas, qual o papel de educadores, pesquisadores, críticos e curadores ao tratar de categorias e conceitos que seguem em disputa no nosso sistema mundo? Neste encontro virtual, trataremos de conceitos e temáticas como arte popular, artesanato e primitivo, em seus percursos históricos e como possibilidades de uma pedagogia que reconheça os diferentes fazeres artísticos e suas potencialidades.

Cristina Naiara Fernandes é graduanda em História da Arte pela Universidade Federal de São Paulo, atua como educadora não formal em espaços expositivos e desenvolve pesquisa sobre a temática da arte popular e o mercado da arte como tentativa de construir novas narrativas e pensar as hierarquias presentes.

Link para inscrição

20/01 (qui) às 15h Família mam (Férias no mam) + Arte e Ecologia Percurso criativo com elementos da natureza, oficina com mam educativo Atividade presencial para crianças a partir de 3 anos acompanhadas de suas(eus) responsáveis. Inscrições com 30 minutos de antecedência com o mam educativo na recepção do mam. Para intérprete de Libras, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.br com até 48hs de antecedência.   Quais técnicas e possibilidades podemos experimentar a partir de materiais disponíveis na natureza? Esta atividade presencial propõe o olhar investigativo para as texturas, cheiros e formatos dos elementos da natureza, a partir de um convite para se experimentar técnicas em que folhas, flores, galhos e etc, que estejam disponíveis no espaço, se tornem matéria prima para composições de imagens. Neste percurso criativo iremos conhecer as técnicas de carimbos naturais, frotagem e colagem.   23/01 (dom) das 12h às 17h Domingo mam Breaking Ibira: batalhas de breaking Atividade presencial, livre, na Marquise do mam. Inscrições na hora e no local. Para intérprete de Libras, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.br com até 48hs de antecedência.

Um encontro de dançarinos com o objetivo de confraternizar em sua expressão legítima de dança, onde os dançarinos praticam sua arte de maneira livre num ambiente repleto de músicas voltadas para o segmento do hip-hop.   Breaking Ibira é um evento criado por b.boys que tem por objetivo reunir b.boys e b.girls, amantes da cultura urbana e do hip-hop, assim como de outras modalidades artísticas, para encontrar desafios através da dança e expressar sua criatividade e habilidade em suas sessions (sequências organizadas de passos de breaking). Desde 2017, em parceria com o mam educativo, o evento tem atraído pessoas de diversas regiões de São Paulo e um público significativo, tanto de praticantes de breaking quanto de admiradores da cultura de diversas regiões, inclusive de países da América Latina como Argentina, Peru e Venezuela.   26/01 (qua) às 15h Família mam (Férias no mam) Objetos voadores: oficina de barangandão arco íris e pipa com mam educativo Atividade presencial para crianças a partir de 3 anos acompanhadas de suas(eus) responsáveis. Inscrições com 30 minutos de antecedência com o mam educativo na recepção do mam. Para intérprete de Libras, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.br com até 48hs de antecedência.

Nesta oficina presencial, vamos dar materialidade e forma a experiências do voar. Brinquedos e brincadeiras como barangandão arco-íris e soltar pipa serão propostos e construídos com muita inspiração em suas histórias e narrativas populares. Venha participar!  

26/01 e 02/02 (qua) às 15h Formação em arte e acessibilidade O desenho e o livro sem fio, oficina com Coletivo Mão Dupla Atividade presencial, para professoras(es), educadora(es), pesquisadoras(es) e estudantes. Com inscrição prévia. Com intérprete de Libras. Para certificado, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.br após o evento, com comprovante de inscrição em anexo.   Oficina presencial em dois encontros de formação com o Coletivo Mão Dupla. No primeiro encontro (26/01), será realizada uma apresentação de referências visuais e experimentações do coletivo. No segundo encontro (02/02), será articulada uma proposta prática em que cada participante utilizará papel e caneta para desenhar, tendo as costas uns dos outros como apoio, em fila, como um “telefone sem fio”. Um primeiro participante inicia o desenho e os demais devem tentar copiar pela sensação tátil das costas. Ao final, os desenhos se tornarão um mini livro.   Coletivo Mão Dupla é o trânsito entre língua de sinais e artes visuais. É um coletivo de artistas surdos e ouvintes que desenvolve pesquisas teóricas e práticas através da visualidade. Com o objetivo de propor encontros entre surdos e ouvintes, divulgar a Libras e as culturas surdas, cultivar a acessibilidade na cultura para além dos eixos centrais e estimular a produção artística de pessoas surdas, realiza diversas ações. Dentre elas, publicações, oficinas, murais, poesias, Slam e rodas de conversa. Em 2019, o projeto foi contemplado pelo edital Aluno-Artista do SAE-Unicamp, e em 2020 realizou uma parceria com o projeto Ainda Algo Antes de Deitar, de Lucas Michelani, pelo ProAC. Em 2021 participou da programação artística do Festival de Culturas Surdas do Itaú Cultural.   Bruno Vital,surdo, é formado em artes visuais, com curso de extensão em Culturas Surdas na Contemporaneidade: Criações e Vivências Artísticas (2019), promovido pelo Itaú Cultural em parceria com o Instituto Singularidades. Foi educador de acessibilidade no Sesc Belenzinho (2015) e participou como educador de acessibilidade cultural em diversas instituições culturais como como Sesc SP, Fundação Bienal, Instituto Tomie Ohtake e MIS SP. Atua no desenvolvimento de ações colaborativas, tendo realizado a exposição Utopias fragmentadas: anomalias cotidianas, na Comuna Sagaz (São Paulo). É artista integrante do coletivo Mão Dupla.   João Pedro Acciari, surdo de nascença e usuário de implante coclear desde os 5 anos de idade, cresceu convivendo com a família e amigos ouvintes, até que aos 17 anos teve contato melhor com a língua de sinais (Libras), ficou fluente e começou a transitar entre os universos ouvinte e surdo. Desde criança gosta de desenhar, pintar, e todos os tipos de artes. Formado em Design Gráfico desde 2019, atualmente trabalha na área e também como ilustrador. É artista integrante do coletivo Mão Dupla.


27/01 (qui) às 16h Contatos com a arte (Volta às aulas) Costura de memórias: oficina de tear com Amanda Falcão Atividade presencial para professoras(es), educadoras(es), pesquisadoras(es), estudantes e artistas. Inscrições com 30 minutos de antecedência com o mam educativo na recepção do mam. Para intérprete de Libras, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.br com até 48hs de antecedência.

Tecidos e saberes costuram diálogos entre diferentes gerações. As artes têxteis e manuais propõem o desaceleramento do ritmo presente nos grandes centros urbanos e nos convidam ao partilhar de memórias e histórias entre o coletivo. Este encontro presencial pretende abordar percursos sensíveis e subjetivos na arte de tecer e bordar em diversas culturas. Quantas histórias podemos guardar e contar através das linhas? Quais memórias estão presentes em nossas tecituras? Quais relações e caminhos possíveis entre o saber-fazer artesanal e os processos educativos?   Amanda Harumi Falcão é artista visual e arte educadora, bacharel em Artes Visuais e licenciada em Artes no Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. Já atuou em educativo de instituições culturais com exposições temporárias, e atualmente faz parte do educativo do mam São Paulo. Em suas pesquisas, busca costurar a relação entre memória e o fazer artesanal, como também investigar os processos sutis e interdisciplinares na mediação cultural e arte educação.     28/01 (sex) às 16h Contatos com a arte (Volta às aulas)
TransVersalidades nas artes: introdução e panorama de artistas transfemininas brasileiras, com Luna Aurora Souto Atividade virtual no Zoom para professoras(es), educadoras(es), pesquisadoras(es), estudantes e artistas. Com inscrição prévia. O link do evento é enviado no dia por e-mail com 1h de antecedência do evento. Para intérprete de Libras, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.br com até 48hs de antecedência. Para certificado, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.br após o evento, com comprovante de inscrição em anexo.   Conversa mediada motivada pelo trabalho de duas artistas presentes na exposição 36º Panorama da Arte Brasileira: Sertão, ocorrida em 2019 no mam: Vulcanica Pokaropa e Rosa Luz. A partir de suas obras, o encontro virtual, próximo ao dia da Visibilidade Trans, tem intuito de apresentar e introduzir uma curadoria de artistas transfemininas de diversas linguagens, assim como fruir e criar pontes entre suas poéticas.


Luna Aurora Souto é educadora e artista multimídia com enfoque na palavra. Estuda Letras – Português/Espanhol na Universidade de São Paulo. Pesquisa as interdisciplinaridades entre texto e imagem em articulação com os estudos de identidade de gênero. Em sua escrita e oralidade busca conjurar rebates antitransfóbicos e anticoloniais.   Link para inscrição     29/01 (sáb) às 11h Contatos com a arte (Volta às aulas) Visita à exposição Os pássaros de fogo levantarão voo novamente. As formas tecidas de Jacques Douchez e Norberto Nicola, com mam educativo Atividade presencial para professoras(es), educadoras(es), pesquisadoras(es), estudantes e artistas. Inscrições com 30 minutos de antecedência com o mam educativo na recepção do mam. Para intérprete de Libras, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.br com até 48hs de antecedência.

Visita educativa presencial na exposição Os pássaros de fogo levantarão voo novamente. As formas tecidas de Jacques Douchez e Norberto Nicola, que apresenta um conjunto de 26 obras em tapeçaria dos artistas Jacques Douchez e Norberto Nicola, a partir do Atelier Douchez-Nicola, ocorrido entre 1959 e 1980. A mediação educativa enfatizará o aspecto tridimensional das obras como característica marcante nas criações dos artistas e entendidas eles próprios como “formas tecidas”, ampliando as reflexões em relação ao movimento modernista e evidenciando artistas que vieram depois dele, evidenciando também as práticas e os diálogos das artes têxteis e manuais com outras linguagens artísticas, como a pintura.   29/01 (sáb) às 15h Família mam (Férias no mam) + Arte e Ecologia Versos plantados: caça à árvores no Ibirapuera, com mam educativo Atividade presencial para crianças a partir de 2 anos acompanhadas de suas(eus) responsáveis. Inscrições com 30 minutos de antecedência com o mam educativo na recepção do mam. Para intérprete de Libras, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.brcom até 48hs de antecedência.

Um percurso musical e investigativo para conhecer as árvores presentes no Parque Ibirapuera. Versos serão cantados e a partir deles a pesquisa será feita. A qual árvore aquele verso se refere? Quais características nos levam até aquela árvore? Um encontro para conhecer a flora do território Ibirapuera em meio ao Jardim de Esculturas do mam São Paulo.

30/01 (dom) às 15h30 Domingo mam Maquiagem enquanto Identidade, encontro com Nuna Narciso Atividade presencial, livre, na Marquise do mam. Inscrições na hora e no local. Para intérprete de Libras, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.br com até 48hs de antecedência.   Afinal, para que serve o contorno? Onde se aplica o iluminador? Quais as relações das técnicas de maquiagem com a construção e expressão de identidade. E quem estipula as tecnologias estéticas? Próximo ao dia da Visibilidade Trans, nos encontramos nesta mesa redonda presencial na marquise do Parque Ibirapuera, para conversarmos sobre aplicação cosmética (com demonstração ao vivo), tendo como enfoque influências e criações de técnicas desenvolvidas por pessoas trans, travestis e transformistas.   Nuna Narciso é artista visual, educadora e maquiadora autodidata. Acolhe em suas produções temáticas acerca do corpo trans e do corpo gordo e como essas dissidências sociais podem ser transmutadas em potências artísticas.   03/02 (qui) às 16h Contatos com a arte (Volta às aulas) + Arte e Ecologia Saberes da floresta, formação para educadores com Cristine Takuá Atividade virtual no Zoom para professoras(es), educadoras(es), pesquisadoras(es), estudantes e artistas. Com inscrição prévia. O link do evento é enviado no dia por e-mail com 1h de antecedência do evento. Para intérprete de Libras, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.br com até 48hs de antecedência. Para certificado, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.br após o evento, com comprovante de inscrição em anexo.   A educadora indígena, filósofa e artesã Cristine Takuá propõe a formação de educadores para a ampliação dos saberes sobre os povos originários, a diversidade de suas cosmovisões e suas formas de bem-viver junto à natureza, problematizando as práticas de ensino-aprendizagem a partir dos valores dos direitos humanos e socioambientais. Neste encontro virtual com Takuá, será abordada a relação das crianças com a natureza nas comunidades indígenas a partir do compartilhamento de experiências práticas de ensino-aprendizagem das temáticas indígenas em ambientes educacionais formais e não-formais, com apresentação de conhecimentos introdutórios sobre as múltiplas realidades dos povos indígenas no Brasil.   Cristine Takuá é professora indígena. Formada em Filosofia pela UNESP (Marília, SP), ministra aulas de Filosofia, Sociologia, História e Geografia na EE Indígena Txeru Ba’e Kua-I, DER Santos, pertencente à Terra Indígena Ribeirão Silveira, que se localiza na divisa dos municípios de Bertioga e São Sebastião.     04/02 (sex) às 16h Contatos com a arte (Volta às aulas) Visita mediada virtual à exposição Samson Flexor: além do moderno, com mam educativo Atividade virtual no Zoom para professoras(es), educadoras(es), pesquisadoras(es), estudantes e artistas. Com inscrição prévia. O link do evento é enviado no dia por e-mail com 1h de antecedência do evento. Para intérprete de Libras, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.br com até 48hs de antecedência. Para certificado, solicitar pelo e-mail educativo@mam.org.br após o evento, com comprovante de inscrição em anexo.

Visita mediada virtual à exposição Samson Flexor: além do moderno, de curadoria de Kiki Mazzucchelli, que reúne um conjunto significativo de obras da fase tardia do artista, lançando luz sobre um período menos conhecido de sua produção e evidenciando o um trabalho que enfrentou os desafios éticos e estéticos de seu tempo, e cujo legado permanece contemporâneo. Esta proposta educativa pela programação Voltas às aulas do programa Contato com a arte apresentará por meio de abordagens artístico pedagógicas a primeira exposição de Flexor que tem como foco o desenvolvimento de sua obra a partir de 1957, quando passou a rejeitar as formas estáticas, em pinturas onde gradualmente passaram a predominar o gesto, a opacidade e a transparência.  
 

Este Blog é pra quem gosta de ler, escrever, refletir e conversar sobre jornalismo, literatura e demais culturas.